quarta-feira, 28 de julho de 2010

As lições do Pequeno Nicolas

Em 2008 quando comecei a estudar francês eu não sabia uma palavra, não conhecia nada do Cinema e de literatura em prosa apenas conhecia os livros de Júlio Verne e Alexandre Dumas; conhecia, porém, bastante da música (adoro Carla Bruni, Saya, Coeur de Pirate, Grégory Lemarchal, Coralie Clément, etc.) e de poesia, sobretudo os do Fim do Século XIX de Baudelaire em diante, isto é, Rimbaud, Verlaine e Mallarmé, e outros simbolistas. Foi, aliás, por causa da poesia que decidi por me habilitar em francês.
Contudo, conforme fui conhecendo mais da língua, da cultura e consequentemente da literatura e do cinema, fui cada vez me encantando mais... o que me fez querer estudar mais e em pouco tempo decidi pegar um livro em francês para tentar ler... Comecei pelo mais óbvio e mais simples de todos (digo simples em termo de linguagem), ou seja, comecei por Le Petit Prince (O Pequeno Príncipe), de Saint-Exupery.
Quando pequeno eu já lera a história do principezinho que desenhava cobras abertas e fechadas e tem uma rosa de estimação, mesmo assim, fui uma experiência totalmente nova lê-lo no original... Contudo, essa história fica para depois, pois a postagem de hoje não é sobre O pequeno príncipe. O que importa é que consegui lê-lo e fiquei muito feliz, logo quis ler mais livros, mas ainda não estava pronto para pegar nada muito complexo, nem com um francês muito difícil, então pedi recomendação ao vendedor da Livraria Francesa da Vila Olímpia (que por sinal sempre quebra meus galhos) e ele me recomendou um livro, ou melhor, mais do que um livro ele me recomendou uma série de livros: Le Petit Nicolas, de Sempé e Goscinny, que em português foi bregamente traduzido para O pequeno Nicolau...
Sinceramente não entendo o motivo para se traduzir nomes, fica horrível! Trocar Nicolas, por Nicolau, é uma péssima escolha, pois em português podemos dizer sem problemas Nicolas, mas enfim... Se fosse eu a traduzir chamaria de O Pequeno Nicolas, mas essa também não é a questão que quero tratar hoje. Desculpem pelas digressões, aliás...
Mas enfim, o que verdadeiramente importa é que acatei a sugestão do vendedor e comecei a ler a série... Um livro, dois livros, três, quatro... Li rapidamente quatro livros e tão logo for possível, lerei os demais...
Toda a série gira em torno de uma personagem incrível: Nicolas, um menino de uns 7 anos no máximo (não me recordo a idade exata) que conta o que acontece na sua vida, com seus pais, vizinhos, amigos, etc. Até aí não há nada demais, mas o caso é que Nicolas narra como de fato uma criança de 7 anos narraria, logo ele não entende grande parte do que se passa a sua volta e aí está toda a genialidade dos seus criadores. O livro, que no fundo é um livro infantil, mostra toda inocência das crianças, em meio a uma leitura fácil, engraçada, bem escrita, e permeada de ironias... Os livros são inteligentes e com tiradas ótimas! Nicolas não compreende, por exemplo, as brigas de seus pais, mesmo porque esses "não gostam que se fale certas coisas na frente do menino"... Ele também não entende porque sua avó age tão estranhamente perto de seu pai - genro dela - e porque sua mãe fica tão tensa perto dos dois, só para dar alguns exemplos...
Os livros também valem por seus amigos de escolha, um mais cômico que o outro. Ao todo são 8: Clotaire - o pior aluno da turma, que sempre se confunde com tudo; Eudes - o valentão que adora socar o nariz alheio; Geoffroy - o mauricinho que ganha tudo o que pede ao papai; Joachim - talvez o mais criativo, mas também o mais sem graça; Rufus - o filho de um policial que acha divertido ficar apitando o tempo todo como seu pai; Maixent - o mais rapido da classe, toda sala sempre tem um; Agnan - O queridinho da professora; e por fim Alceste - o gordinho que come todo o tempo; um mais engraçado do que o outro...
Recentemente descobri que os livros haviam sido traduzidos para o português e parece que as traduções ficaram bem legais, vale a pena conferir... Além disso, há cerca de uns 6 meses soube que tinham adaptado as histórias de Nicolas para o cinema no começo de 2009. O filme, francês, é claro, parecia que não ia vir para o Brasil e eu o procurei em todos os lugares, pois estava curiosíssimo para ver como o meu pequeno herói havia se saído nas telonas... Infelizmente, não consegui encontrá-lo e já até havia desistido, quando num evento da faculdade fiquei sabendo que o filme seria exibido para nós. Fiquei muito empolgado e fui assistir - com aquele medo básico de que estragassem uma história ótima. Felizmente, não foi o que aconteceu!
O Filme ficou excelente! Conseguiram transmitir toda a graça e humor da história, e ainda seu lado inteligente e irônico, sem ficar forçado, sem fugir da história, sem sacrificá-la, mostrando toda a inocência das personagens, enfim, é um dos poucos exemplos de boa adaptação! Além disso, a caracterização das personagens ficou demais! A trilha sonora é ótima e as crianças escolhidas trabalham impressionantemente bem... Foi, portanto, com muito gosto que vi esse filme na faculdade, achando que não o veria novamente tão cedo...
Qual não foi então minha surpresa ao ver ontem que ele está em cartaz (ou prestes a entrar em cartaz) aqui em São Paulo! Tudo bem que com mais de um ano de atraso, comparado à França, mas ainda assim é um grande ganho... Não é todo dia que um filme que não é falado em inglês chega às telas de cinemas comerciais (pois, evidentemente, não falo de mostras culturais ou festivais... estou falando de cines comuns mesmo, Play Art, Cinemark, enfim, cinemas de shopping...). Isso é um grande ganho, eu acho. Não só por divulgar um bom filme, e conseguintemente divulgar um bom livro, como também por ser uma mostra de que estamos perdendo o preconceito e abrindo um pouco a cabeça... Particularmente adoro o cinema americano, mas não é por que é bom que os outros não são, e não é porque é bom que só vou querer assisti-lo. É sempre bom conhecer culturas novas, novas manifestações artísticas! E é, por isso, que fiquei muito feliz de ver o filme em cartaz... Novamente quebramos algumas barreiras, como estamos quebrando a respeito dos Best-Sellers como venho comentando nas últimas postagens...
Bem, espero sinceramente que quem não viu ainda o filme veja, e quem não leu ainda os livros (ao menos um deles) leia - grande parte da coleção foi traduzida e está sendo relançada por causa do filme... Ambos valem muito a pena. É um livro infantil, é claro, contado por uma criança, e pode ser lido para crianças que certamente vão gostar e entender, mas não tudo, pois o livro está longe de ser um livro apenas para elas - há muito escondido nas confusões de Nicolas... É um grande livro, sobre pequenas pessoas que tem muito a nos ensinar, afinal, quem não precisa de vez em quando da inocência de uma criança?

Nenhum comentário:

Postar um comentário