sábado, 24 de julho de 2010

O que esperar de um ouriço?

O que esperar de uma menina de 12 anos incrivelmente inteligente, piromaníaca e com tendências suicidas? O que esperar de um livro com duas narradoras, cuja narração não é necessariamente narrativa? O que esperar de uma zeladora que lê Marx e Tolstoi? O que esperar de uma das autoras mais vendidas de língua francesa, com apenas dois livros publicados, que vive no Japão e não dá entrevistas? Acima de tudo, o que esperar de um livro chamado A Elegância do Ouriço?
Sinceramente, eu não esperava muita coisa... E talvez seja por isso que me surpreendi imensamente, talvez a maior surpresa literária que já tive.
Quando minha professora de francês nos avisou que teríamos de ler um romance, achei a idéia ótima! Adoro literatura francesa! Contudo, quando ela disse que leríamos um livro que me era completamente desconhecido chamado L’élégance du hérisson, de uma autora chamada Muriel Barbery não pude deixar de ficar um pouco decepcionado: com tantos livros consagrados porque ler esse cuja autora nunca ouvira falar? Com tantos livros clássicos, porque ler um livro contemporâneo? Eu que sempre defendi os Best-sellers estava caindo nesse erro ridículo de julgar o livro pela capa... Mas enfim, claro que tudo isso não passou de um conflito interno de apenas alguns minutos... Afinal, não tinha opção, tinha de ler e pronto. Então li. E já na primeira página revi meus conceitos: eu estava diante de um dos livros mais fantásticos e lindos que eu já li...
L’élégance trata-se de uma história bipartida, já que duas narradoras a conduzem por caminhos tortuosos, num texto não-linear, não cronológico, filosófico, poético, belíssimo, marcado por uma melancolia cativante e envolvente... Por mais estranho que dizer isso possa parecer...
Paloma – uma das duas narradoras – é uma menina de 12 anos que mora com o pai, a mãe e a irmã... Família rica, fútil e patética. Paloma, por outro lado, parece não se encaixar no ambiente em que vive... Ela não suporta a hipocrisia e a injustiça dos ricos que fingem que a dor e a miséria não existem, só porque não existem para eles... Por isso ela decide punir sua família. Vai se suicidar e botar fogo no apartamento em que vivem.
A outra narradora é Renée, uma cinquentana terrivelmente feia, zeladora de um condomínio de alto luxo onde vive a família de Paloma. Renée parece ser uma zeladora comum, e faz de tudo para parecê-lo, entretanto, nós – os leitores – sabemos, ou melhor, vamos descobrindo pouco a pouco o quanto há por detrás dessa mulher que se mostra fascinante. Ela acaba por nos encantar, do mesmo modo que a arte a encanta, uma vez que Renée é uma grande admiradora de toda forma de arte e sua narração é pontuada de agradáveis mostras de fruição estética.
Assim se constrói a trama, entremeada de textos de Renée e Paloma... Infelizmente não posso contar mais do que isso sem entregar o fim do livro, mas imagino que só isso seja sucifiente para fascinar e encantar qualquer um... É um livro que realmente vale a pena ler.
Li numa edição francesa, mas pelo que me consta a edição brasileira, que recebeu o nome Elegância do Ouriço , publicada pela Cia. das Letras, ficou muito boa... Embora eu não a tenha lido para ter certeza. De toda forma, em francês, português, inglês ou na língua que for vale a pena ler essa obra que mais do que uma obra de literatura, é uma obra de arte, uma lição de vida, um tesouro escondido sob um título enigmático, mas que se mostra profundo e vital ao longo da trama.
Só me resta dizer que agradecerei eternamente à minha professora de francês por nos ter indicado a leitura desse livro, e, assim que possível, lerei o outro livro de Barbery chamado Une gourmendise.
Eis, portanto, mais um exemplo para a discussão sobre Best-sellers... Afinal não é porque é famoso, que não pode ser bom... Ainda há muita coisa boa por ser descoberta.
O que esperar de um ouriço? Pergunta difícil de responder, mas certamente há muito por descobrir sob seus espinhos...

4 comentários:

  1. Adorei o texto.
    Espero poder ler este livro,fiquei muito interessada.


    Ta aqui meu Blog,se quizer seguir
    ficarei muito agradeçida.

    http://maricavalcantii.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Olá, Mari, seja bem-vinda ao Cérebro-Casa!

    Espero que consiga ler "A Elegância do Ouriço", é um livro realmente bom, acho que vale a pena.

    Já li algumas coisas de seu Blog (e já estou seguindo!), suas poesias são muito bonitas, parabéns!

    Volte mais vezes,
    abraço,
    Bruno.

    ResponderExcluir
  3. Exatamente. O "L'élégance" é uma bela imagem para ilustrar sua teoria sobre os best-sellers, que vai contra a ideia de que porque vende muito necessariamente é ruim. Essa ideia se baseia muito numa mania de aparência que as pessoas costumam adotar, no olhar para as coisas... A mania de que, palavras da Renée, a vida é simples! Realmente o "L'élégance du hérisson" é uma leitura fascinante, assim como suas personagens... Ele é profundo em cada página, com a delicadeza e o cuidado da escrita poética da Muriel Barbery.
    Eu acho que muito da melancolia transmitida pela leitura vem também do fato de que as duas não podem senão conservar todo o seu olhar sutil e inovador para o mundo para elas mesmas ou para os poucos que a podem compreender, naquela situação ilustrada no romance (?). Quero dizer que elas acabam sendo obrigadas a espelhar uma espécie de elitismo intelectual, tal como aqueles ricos com suas futilidades. E isso é triste... Mas o que não é triste e felizmente irônico é o fato de a Muriel Barbery ter captado, dentre outros, um problema tão vivo para nós hoje, que é o lugar e o alcance da arte, de um modo próximo, cuidadoso, encantador, sem perder a elegância. :)

    Fora isso, não consigo dizer mais nada... O livro me disse muito, MUITO, mas infelizmente não sou capaz de transpor todo seu encanto em novas palavras.

    Beijo, querido, parabéns novamente pelo post!
    Bru

    ResponderExcluir
  4. Bru,
    adoro seus comentários! São sempre completos, pertinentes, levantam questões interessantes e suprem todas as inúmeras lacunas que vou deixando pelo caminho em minhas postagens!
    Onde estive na Cultura e comprei "Une Gourmandise", estou ansiosíssimo para ler, será que é tão bom quanto o "L'élégance du hérisson"???

    Assim que eu descobrir postarei aqui ;)

    Beijos,
    Obrigado e até mais.

    ResponderExcluir