quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Para refletir... [3]

Não resisti e resolvi vir postar também um trechinho de Arthur Schopenhauer que achei simplesmente fantástico... Confesso que ainda não li nenhum livro dele, embora ele rodeie grande parte dos textos que leio para a faculdade... Um de seus livros está na minha lista infindável de coisas a ler... O trecho que cito foi tirado do livro: A consciência criadora na poesia brasileira, de Sergio Alves Peixoto. Para ilustrar um pouco o que ele disse achei que não haveria nada melhor do que o quadro O grito. O que acham? Além disso, é interessante pensar nisso em paralelo ao que dizem os poemas de Fernando Pessoa e Camilo Pessanha que postei sob os títulos: "Para refletir..." e "Para refletir...[2]", respectivamente.
Enfim, vamos ver o que vocês acham deste fragmento:
[...] o prazer do belo, o prazer verdadeiramente que dá a arte, tudo isto não é concedido senão a pouquíssimos, por motivo que para tal se requerem disposições extremamente raras e que os próprios privilegiados só podem usufruir como sonhos fugazes; e além disso tal superioridade de força intelectual torna essas criaturas susceptíveis de sentir a dor com uma intensidade de que não são capazes os seres medíocres [...] (SCHOPENHAUER, 1941: 81-2).
Desta vez não vou comentar, nem nada... Fica aqui para reflexão, quem sabe depois eu comente nos comentários propriamente ditos...
Eu não sei vocês, mas eu acho este fragmento simplesmente perfeito... Não apenas porque faz toda a lógica do mundo, mas também porque me faz pensar...
Ouvindo: Requiem for a Dream.

6 comentários:

  1. olá!
    tudo bom???
    muito prazer,me chamo Augusto César...
    gostei muito do seu blogger. show de bola!
    estou lhe seguindo,me siga também???
    http://osegredodosescritores.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Olá, Augusto, tudo bem sim...

    Seja bem-vindo ao Cérebro-Casa!
    Fico feliz que tenha gostado,
    espero que volte mais vezes,

    Abraço,
    Bruno.

    PS: Já estou seguindo seu blog ;)

    ResponderExcluir
  3. Novamente: este trecho é fantástico, fez bem em postar aqui e deixar para a lembrança. É engraçado, porque ele tem ares verdadeiramente aristocráticos, rs, mas ao mesmo tempo é muito real (pelo menos pra mim parece, e para você também, não é).

    Ah, e eu acho que sentir com intensidade é uma grande arma, porque cria mecanismos de defesa e de reflexão mais atilados - ao contrário do senso-comum, que apedreja a sensibilidade aguçada e se engana em acreditar que fugir da intensidade dos sentimentos e evitar mergulhar de cabeça nas situações são sinônimos de viver bem.

    Beijos, querido!
    Bru

    ResponderExcluir
  4. Pois é, Bru, desde aquele dia eu estou para postar esse trecho aqui... Acho que ele merece ser compartilhado, não é?

    E sim, eu o acho muito real... O que não deixa de ser em certa medida assustador e perturbador... hahaha

    Fico feliz que você tenha gostado,
    como sempre,
    seus comentários só vem a contribuir!

    Volte sempre, é claro,
    beijos, querida,
    Bruno.

    ResponderExcluir
  5. Confesso que desde que saí da faculdade nao leio mais Schopenhauer (já li uma obra dele =p), Hegel, Nietzsche, entre outros. Acho que uma vez já comentei isso contigo.. Creio que iria PIRAR! kkkk Pq são idéias tao fascinantes que certos PENSADORES abordam.. que uma única frase nos faz parar por minutos e pensar na sua profundidade..
    Acho que boa parte da minha vida ia ser congelada para eu apenas pensar juntamente com eles..
    Mas falando do trecho que você colocou.. a palavra é perfeito! Acho que apenas quem tem uma sensibilidade grande e aguçada consegue transmitir coisas fascinantes e infelizmente isso nao é para qualquer pessoa..Gostaria eu de conseguir transmitir um pouco do que penso e sinto mas o dom da escrita e da palavra nao sao para mim..
    Por isso continuo a ler textos que possam expor o que eu sinto e penso ou então textos que me façam ter novos pensamentos e sentimentos

    =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Rê! tudo bem?

      Acho que não importa se você lê ou escreve, o importante é conseguir entrar em contato com essas questões de uma forma ou de outra e aprender com elas ;-)

      Beijos!

      Excluir